quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Psicopatas Não São Loucos: Entendendo a Loucura

Um dos mitos que envolvem a figura do sociopata é o de pensar que ele é louco (ou, por utilizar um termo técnico, psicótico). Vejamos sucintamente a diferença entre os indivíduos psicóticos e os psicopatas.

Pacientes com transtornos psicóticos frequentemente alimentam crenças que não são apenas falsas, mas também bizarras, inconsistentes e quase sempre impossíveis de serem removidas, mesmo mediantes demonstrações convincentes de sua impossibilidade. Muitos escutam vozes imaginárias ou apresentam crenças irredutíveis de que pessoas ou governos estão tramando um plano para arruiná-los, por exemplo. O protótipo da psicose (ou loucura) é a esquizofrenia, uma doença debilitante que, se não tratada, torna o paciente completamente incapacitado para as interações da vida.

O psicopata, por outro lado, não apresenta os sinais descritos acima. Ele não tem problema algum no seu raciocínio ou na sua percepção do mundo externo. É capaz de executar suas atividades como qualquer outro cidadão, sem sofrer com qualquer tipo de delírio ou alucinação.

3 comentários:

  1. Eu conheço uma psicopata, e estou assustada com suas atitudes.

    ResponderExcluir
  2. Excelentes definições, só que vocês chamaram os psicopatas de sociopatas em dado momento. Um não é igual ao outro, vejam se podem corrigir isso.

    A explicação de vocês foi tão relevante e útil que a utilizei como parte de um roteiro de longa-metragem que escrevi: O Desespero de um Solteiro! (comédia dramática romântica).

    Sinopse: Para provar aos colegas de trabalho e a si mesmo que não é um triplo doente mental, um escriturário "precisa" conquistar uma fotógrafa!

    Roteiro do filme: http://saviochristi3.blogspot.com.br/2017/10/o-desespero-de-um-solteiro-tema-de.html.

    ResponderExcluir