terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Guia de Sobrevivência

Embora ninguém seja completamente imune às maquinações dos psicopatas, aqui vão algumas dicas para lhe ajudar a escapar antes de cair na armadilha de um deles.

  1. Saiba com quem você está lidando – Isso parece uma tarefa fácil, mas pode ser de fato bastante difícil. Todo o conhecimento adquirido por meio de leituras não o tornará necessariamente imune aos efeitos devastadores da ação de um psicopata. Qualquer um, incluindo especialistas em psicopatia, pode ser ludibriado por um deles. “A bajulação excessiva, o agradar afetado e pouco realista é uma das táticas dos psicopatas para nos cegar, seduzir e encobrir suas verdadeiras intenções: manipulação e controle”, afirma a psiquiatra Ana Beatriz. Portanto, olhos bem abertos!
  2. Não se deixe influenciar facilmente – Não é fácil ficar imune ao sorriso encantador, à linguagem corporal cativante e ao modo rápido de falar típico do psicopata. Ele se utiliza dessas técnicas para cegar suas potenciais vítimas, ocultando suas reais intenções, que são a autogratificação e o exercício do poder. Esteja atento.
  3. Fique atento quando conhecer alguém – Não seja ingênuo. Quando conhecer uma nova pessoa, seja um colega de trabalho, um amigo ou um namorado, procure pelos sinais de alerta. Não compartilhe coisas importantes de sua vida nos primeiros encontros. Sociopatas, bem mais do que qualquer outra pessoa, sabem como camuflar perfeitamente o seu lado negro, para darem uma boa primeira impressão. Mais cedo ou mais tarde, contudo, eles sempre deixam escapar alguma coisa. Se você estiver atento, poderá pegar o fio do novelo e descobrir muita coisa escondida...
  4. Tenha especial cuidado em determinadas situações – Algumas situações são especialmente chamativas à ação de psicopatas: bares, cruzeiros, aeroportos internacionais. Em todos esses casos, a vítima em potencial está só e em busca de passa-tempo ou de divertir-se em boa companhia. É precisamente aí que surge o predador.
  5. Conheça-se a si mesmo – Psicopatas são incrivelmente habilidosos em explorar os pontos fracos das pessoas. Como já dissemos, eles são especialistas em detectá-los. Sua melhor defesa é conhecer suas próprias vulnerabilidades e ficar antenado a qualquer um que se fixe nelas.

Infelizmente, por mais precauções que tomemos, nada pode garantir que não seremos pegos desprevenidos. Se você foi ou está sendo vítima de um sociopata, procure reduzir ao máximo os efeitos nocivos de suas ações. Sabemos que não é fácil, mas estas sugestões poderão ser úteis:

  1. Procure a ajuda de um profissional – Médicos e psicólogos com experiência em sociopatia estão aptos para oferecer o suporte de que você necessita. Portanto, não hesite em procurá-los.
  2. Não se culpe e não deixe que ele lhe culpe – Quaisquer que sejam as razões por você ter se envolvido com um sociopata, é de fundamental importância que você não se culpe pelas atitudes e comportamento dele. Ele tentará convencê-lo de todas as formas que você é o culpado por ele estar agindo como age. Ele tem uma habilidade incrível de inverter os papéis, transformando você no algoz e se transformando, ele mesmo, na vítima. Nunca aceite o seu jogo. Não acredite também quando ele disser que age da mesma forma com todas as pessoas e que somente você é sensível. Tenha convicção plena de que a vítima é você e não ele.
  3. Saiba que você não está sozinho – Na maioria das vezes, os ataques de um sociopata não se restringem a uma única pessoa. Sendo assim, é bastante provável que outros também estejam sendo, de uma forma ou de outra, vítimas da mesma pessoa que lhe agride, e é bem provável que você fique sabendo de alguma história semelhante à sua. Se este for o seu caso, tente uma aproximação com seus companheiros de sofrimento. O apoio que eles lhe darão é de valor inestimável para que você consiga se libertar, primeiro emocional e depois totalmente, do seu algoz. Mas tenha em mente que, assim como você, todas as vítimas simpatizam pouco com a idéia de falar sobre o assunto, por temerem retaliações. Lembre-se também de que o agressor está atento aos seus passos, e tentará o quanto puder mantê-lo afastado das pessoas que podem de alguma maneira ajudá-lo a sair da situação em que você está, seja por vindicar onisciência quanto a tudo o que você conversa e faz, seja por caluniá-lo, ou então por ameaçá-lo abertamente, obrigando-o a se manter longe dos outros.
  4. Não se esqueça: psicopatas têm uma forte necessidade de exercer controle físico e mental sobre as outras pessoas. Lutar contra eles não será fácil e poderá lhe custar muito desgaste e sofrimento, emocional e/ou mesmo físico.
  5. Estabeleça as regras do jogo – Como dissemos, a disputa de poder com um psicopata é tarefa árdua, podendo inclusive se tornar arriscada. Contudo, você deve estabelecer limites fixos para ele. Não permita que ele perpetue as agressões e não caia no jogo que ele fará para despistá-lo de seu objetivo.
  6. Não espere mudanças dramáticas – É bastante improvável que qualquer coisa que você venha a fazer produza alguma mudança real e duradoura no modo como o seu agressor encara a vida e trata os outros. Não assuma para você a tarefa de transformá-lo numa pessoa de bem.
  7. Não caia no jogo do coitadinho – Uma das maneiras que o sociopata utilizará para se manter no poder é apelando para a sua compaixão. Quando perceber que você está ameaçando escapar, ele poderá apelar para a sua compaixão, teatralizando arrependimento, alegando carência afetiva, problemas financeiros ou alguma doença. A psiquiatra Ana Beatriz afirma: “A piedade, a compaixão e a solidariedade são forças para o bem quando direcionadas às pessoas que de fato merecem e precisam de tais sentimentos. No entanto, quando esses mesmos sentimentos são direcionados a pessoas que apresentam comportamentos inescrupulosos de forma consistente e repetitiva, temos que considerar isso como um aviso de que algo está muito errado. É um sinal de alarme que não podemos ignorar.”
  8. Pule fora o quanto antes – A imensa maioria das vítimas dos psicopatas termina por se sentir confusa e sem esperança. Ficam convencidas de que são as culpadas pelo insucesso do relacionamento. E no afã de corrigir o problema, continuam cedendo mais e mais, alimentando uma esperança vã. O melhor a fazer é simplesmente aceitar o fato de que você foi enganado e saber que, quanto mais ceder, mais o psicopata vai levar vantagem às suas custas. Ele tem uma sede insaciável por controle e poder. Pule fora. A sociopatia é uma doença difícil de ser detectada, já que o sociopata se esconde por trás de suas máscaras o tempo inteiro. Por esse motivo, mesmo após anos de convivência, pouquíssimas pessoas são capazes de compreender o “lado negro” dessas criaturas, ainda que tenha relances dos seus maus comportamentos. Sendo assim, afaste-se do seu agressor o quanto antes, ainda que todos à sua volta não compreendam sua atitude e lhe julguem mal. A única maneira de vencê-lo é se afastando dele. Portanto, force-se a cumprir esta regra: contato zero.
  9. Associe-se a grupos de apoio – Procure ajuda de pessoas que estão sofrendo com o mesmo problema. A internet está repleta de fóruns de discussão sobre o tema, embora a maioria deles em inglês. Uma busca rápida no Google será de grande valia.
  10. Cuidado com as recaídas – Mesmo após meses ou anos, o sociopata poderá querer lhe laçar de novo. Ele virá com os mesmos recursos de sempre, talvez dizendo que mudou, que agora é uma outra pessoa. Cuidado! Lembre-se disto:
    psicopatas nunca mudam!

4 comentários:

  1. Apos um convivio prolongado com um psicopata, percebo que a unica maneira de me curar eh atraves de leituras de sites e blogs (serios) sobre o assunto, que sao, em sua maioria, americanos. Comecei lendo o livro da Dra.Ana beatriz Silva, depois me aprofundei lento os artigos e a check list do Dr.Robert Hare. e tambem o site Psycopath Love, este ultimo de ajuda fundamental, pois consegue definir exatamente a maioria dos metodos disfarcados de controle que o psicopata exerce sobre sua vitima.

    ResponderExcluir
  2. Sou vítima . Primeiro de mãe depois de esposo . Ele falecido. Mas só.me envolvo com pessoas assim. Amigos. Amores . As vezes tenho vontade de isolar. Me sinto depressiva. Não tenho ânimo p nada. Minha vida se resume em trabalha. Cuidar da casa e filhos. E tenho um namorado q acho q é psicoatA tbm. Mas.meu maior problema é minha mãe.70 anos. Sou filha adotiva, sofri a vida toda. Tenho 43 anos de idade. Ela é extremamente perigosa. Poldou todos os meus sonhos. Eu e meu pai q já é falecido. Desconfio dela ter planejado a morte dele. Envenenamento. Mas não tenho provas concretas. Só evidências.enfim vivo sob esse terror. Ela disse q não tenho nada de herança. Tudo dela. Menti muito. Inventa histórias. Conta horrores de minha pessoas. As pessoas me acham a.pior filha. Ela acabou com minha vida sou uma pessoa desacreditada . Sem saber o q fazer com elA. No fundo me sinto responsável por ela. Por ter me criado. Mas corro risco de vida pq ela é louca. Dissimulada . Tenho.pavor de olhar p elA trauma. Por favor me ajudem o q fazer diante dessa situação.

    ResponderExcluir
  3. Amiga, mai se sinta no fundo do poço! Eu tbm sou vitima de um demônio desses. Eu to so existindo mas não tenho alegrias dentro de mim. Olhe para a frente! Vc e humana e ela não! Procure ser feliz e lembre-se que vc tem um Deus do seu lado. Jesus te abençoe!

    ResponderExcluir